Os 15 principais pontos do Projeto da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, aprovado nessa semana

Após aproximados 8 anos de debate sobre a proteção de dados pessoais no Brasil[1], o texto do Projeto de Lei nº 53/2018 (“PLC 53/2018”, também denominado Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, ou “LGPD”[2]), foi aprovado nessa semana pelo Senado e segue para sanção presidencial.

Recentemente, dois acontecimentos internacionais impulsionaram uma aceleração do processo de aprovação PLC 53/2018: o escândalo do uso de dados dos usuários do Facebook, envolvendo a Cambridge Analytica na campanha presidencial de Donald Trump (e o temor de que o mesmo aconteça no Brasil sem medidas protetivas); e a entrada em vigor da GDPR (sigla em inglês para Regulamentação Geral de Proteção de Dados da União Europeia), estabelecendo mais restrições para a transferência de dados de cidadãos europeus para quem não estiver em conformidade com a Regulamentação.

O PLC 53/2018, se sancionado, estabelecerá princípios gerais de proteção de dados pessoais, suprindo a ausência de tal norma no Brasil. Atualmente, existem apenas normas setoriais e esparsas tratando sobre o tema.

A legislação atual, como o Marco Civil da Internet, o Código de Defesa do Consumidor e a Lei de Acesso à informação, além de ser dispersa, também é insuficiente para regular a proteção de dados pessoais. A sanção do PLC 53/2018 afetará toda e qualquer empresa ou pessoa que colete e processe dados pessoais, sejam elas bancos, operadoras de planos de saúde, concessionárias de serviços públicos e demais entes da iniciativa privada, além de órgãos governamentais.

Principais inovações da LGPD

O PLC 53/2018, ao longo de seus 65 artigos trata de diversos aspectos sobre o uso, tratamento e proteção de dados pessoais, dos quais destacamos os seguintes:

1. Aplicação. A LGPD aplica-se ao tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por empresas privadas ou órgãos públicos, não se aplicando a pessoas naturais que realizem o tratamento de dados para fins exclusivamente pessoais.

2. Extraterritorialidade. A LGPD também é a aplicável a (a) tratamento de dados realizado no Brasil; (b) tratamento de dados para ofertar produtos ou serviços, ou relacionado com indivíduos localizados no Brasil; ou (c) dados que tenham sido coletados no Brasil (de pessoas localizadas no Brasil no momento da coleta). Tudo isso, independentemente do domicílio de quem está coletando e processando os dados.

3. Responsável, Operador e Encarregado. Foram definidas e diferenciadas as obrigações e responsabilidades de cada parte do processo de tratamento de dados pessoais. O Responsável determina como o tratamento de dados deve ocorrer. O Operador realiza o tratamento propriamente dito. O Encarregado será a pessoa responsável por receber e responder comunicações dos titulares dos dados e órgãos competentes, além de orientar os demais funcionários da empresa sobre as práticas para proteção de dados pessoais.

4. Categorias de dados. Foram definidos conceitos essenciais para os propósitos da LGPD, além de direitos e responsabilidades para o tratamento relacionado com cada categoria de dados: (a) dado pessoal, (b) dados sensíveis, e (c) dado anonimizado. Além disso, crianças e adolescentes gozam de proteção diferenciada.

5. Consentimento. A LGPD determina que o consentimento pelo titular dos dados deve ser informado e inequívoco para que uma empresa ou órgão público tenha acesso e possa usar um dado pessoal.

6. Exceções ao consentimento. Foram estabelecidas exceções ao consentimento, sendo as mais importantes o tratamento dos dados tornados manifestamente públicos pelo titular ou para atender legítimo interesse do Responsável.

7. Direitos do titular. Foram estabelecidos os direitos do titular dos dados. Além dos direitos de informação, acesso, correção e revogação do consentimento, existe o direito de requerer a portabilidade dos dados pessoais ou anonimização dos dados considerados excessivos à finalidade informada pelo Responsável.

8. Padrões de segurança. A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), criada pela LGPD, estabelecerá as medidas de segurança, técnicas e administrativas, necessárias para proteger os dados pessoais. Elas devem ser adotadas por todos os envolvidos com o tratamento dos dados pessoais.

9. Comunicação de incidentes. O Responsável deve comunicar à ANPD, em prazo razoável, os incidentes de segurança que possam acarretar risco ou dano relevante aos titulares dos dados pessoais.

10. Término do tratamento. O término do tratamento de dados pessoais deverá ocorrer (a) depois de atingida a finalidade da coleta do dado pessoal, (b) ao final do período de tratamento, (c) mediante recebimento de comunicação do titular, inclusive no exercício do seu direito de revogação do consentimento, ou (d) por determinação pelo órgão competente.

11. Transferência internacional de dados. Nos moldes do disposto em outras legislações semelhantes, a transferência internacional de dados somente será permitida para quem proporcione grau de proteção de dados pessoais adequado ao disposto na LGPD, o que pode ser feito, por exemplo, por (a) declaração da ANPD, (b) cláusulas contratuais, ou (c) obtenção de certificação de adoção de normas protetivas suficientes para garantir essa proteção aos dados pessoais.

12. Vazamento de dados; danos resultantes do tratamento. Há responsabilidade solidária entre os responsáveis diretamente envolvidos no tratamento. Além disso, caso o Operador descumpra as obrigações legais de proteção de dados ou as instruções lícitas do Responsável, o Operador responde solidariamente com o Responsável.

13. Penalidades. As penalidades variam desde (a) advertência, (b) multa simples ou diária, de até 2% do faturamento da pessoa ou conglomerado no Brasil no último exercício, limitada a cinquenta milhões de reais por infração, (c) publicização da ocorrência, (d) bloqueio de dados pessoais; (e) eliminação dos dados pessoais, (f) suspensão parcial ou total do funcionamento do banco de dados, (g) suspensão das atividades de tratamento de dados pessoais, ou (h) proibição do exercício de atividades relacionadas ao tratamento de dados.

14. Órgãos. São criados a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, órgão competente para as definições e fiscalização definidas na lei, entidade integrante da administração pública federal indireta, submetido a regime autárquico especial e vinculado ao Ministério da Justiça, e um Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, com membros de órgãos públicos, privados e representantes civis.

15. Entrada em vigor. A lei passará a vigorar após 18 meses de sua publicação, para que haja tempo hábil para as empresas se adaptarem.

A nova legislação estabelece um prazo considerável para o atendimento das suas disposições. Ao mesmo tempo, estabelece severas punições para aqueles que não atendam às suas disposições. Assim, a recomendação é a de que as empresas iniciem o processo de adequação às novas normas o quanto antes após a sanção presidencial do PLC 53/2018.

Especificamente em relação a gestores de bancos de dados destinados à formação de histórico e score de crédito (sendo a Serasa e o SPC os mais conhecidos no País), o PLC 53/2018 não possui disposição que revogue expressamente dispositivos da lei específica aplicável a tais bancos de dados (Lei nº 12.414/2011, regulamentada pelo Decreto nº 7.829/2012).

 

[1] Em 2010 o Ministério da Justiça lançou uma consulta pública sobre proteção de dados pessoais, disponível em http://pensando.mj.gov.br/dadospessoais2011/justica-usa-blog-para-elaborar-lei-de-protecao-a-dados-pessoais/.

[2] Projeto 4060/2012 na Câmara dos Deputados.

Uma consideração sobre “Os 15 principais pontos do Projeto da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, aprovado nessa semana”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s